TORAH = AGUA = VIDA

TORAH = AGUA = VIDA
Sem estudar diariamente, sem dedicação, não podemos sobreviver à assimilação e à alienação geral.

O Talmud conta que Rabi Aquiva teve uma discussão com Iehuda bem Popus, o qual argumentava que na situação de perseguições em que viviam não poderiam nem deveriam estudar ou ensinar Torá. Pensou que os judeus poderiam resistir aos romanos sem estudo da Torá e sem sacrifícios pessoais (messirut nefesh). Rabi Aquiva, pelo contrário insistiu com as aulas de Torá, e o estudo nas Ieshivot; para explicar a sua dedicação à Torá deu, ironicamente, o seguinte exemplo.
Uma raposa estava à beira do rio, faminta. Viu os peixes nadando desesperados em todas as direções. Indagando sobre o motivo desta atitude, os peixes afirmaram estarem com medo de serem pescados pelo homem e assim morrerem. A raposa, astuta, e prevendo uma deliciosa refeição, convidou os peixes a virem para a terra onde ela mesma os defenderia e os salvaria das garras do homem.
Os peixes então lhe responderam:
- Não entendemos como você pode ser chamada o mais esperto dos animais! Se na água, que é o nosso meio natural, têm perigos e podemos ser capturados, o que seria sem a nossa água e o oxigênio que ela fornece? Certamente morreremos.

A água do judeu, o seu meio natural, é a Torá.
Sem estudar diariamente, sem dedicação, não podemos

TORAH = AGUA = VIDA