Exílio - Galut

Galut

Exílio, designa a dispersão do povo judeu após a desturição do Segundo Templo;

Também praven galut (yid/bebreu): exílio numa cidade de refugio* aonde é submetido um assassíno involuntário.


O exílio é um período de ocultação da Luz Divina. É justamente por isso que a ação de um Judeu é ainda mais preciosa, revela ainda mais amplamente a espiritualidade na matéria do mundo e prepara assim a libertação, a redenção com a vinda do mashiah (Guéula*). Neste sentido, o exílio é comparado a um sonho. Não há existência verdadeira e é somente uma etapa transitória. É por este motivo que ele desaparecera definitivamente, com a vinda do Mashiach.

D’us se encontra também em exílio, como diz o versículo “D’us voltará com tua captivité”, e não “D’us fará tua captividade voltar”. Ele deseja então ser libertado e concede a cada judeu todas as forças necessárias para tornar esta libertação verdadeira.

Por outro lado, a Chassidut* destaca que o exílio está relacionado ao corpo  e não a alma*. Na verdade, esta é uma parcela de Divindade e o exílio não teria relação com ela. Em compensação, o corpo se parece com aquele das outras nações, no que diz respeito a seu aspecto exterior. O exílio deve ser o laminador que o conduzirá para a elevação. Assim, o Rabbi Rayatz* ensina: “Quando chegar a libertação, nós lamentaremos o período de exílio. Nós sofreremos por ter servido D’us insuficientemente na época atual.”