Zezmer

BS’D

O Rav Zalman Zezmer era um Chassid bem conhecido do Rebe Shneur Zalman. Ele viera solicitar a bênção do Rebe antes de empreender uma grande viagem para arrecadar Tsedaca. O Rebe lhe deu então uma estranha recomendação:

“Ao ver um hotel ou um albergue cuja porta esteja orientada para o leste, cuidado para não entrar!”

Uma vez no meio da viagem, aconteceu que seu cocheiro, devido à espessa camada de neve, se equivocou de caminho. O frio era intenso e eles não encontravam uma casa para se refugiar. De repente, perceberam uma luz ao longe. Aproximaram-se e chegaram a um grande pátio. Bateram na porta e uma mulher atendeu; entraram na casa onde puderam se aquecer. A mulher perguntou se queriam chá.

De repente, Rav Zalman percebeu que a porta estava dirigida para o leste. Ele fez um sinal para o cocheiro atrelar os cavalos e para partirem de imediato. O cocheiro o suplicou:

“Aonde ir agora? Está fazendo frio lá fora. Fiquemos até amanhã. Depois partiremos.”

“Impossível, disse Rav Zalman, partiremos sem demora.”

Mas a porta estava trancada e a mulher lhes disse:

“Não deixareis essa casa antes do retorno do meu marido e de meus filhos.”

Foi então que entenderam que tinham caído numa armadilha. Era uma casa de ladrões que roubavam os viajantes durante a noite.

Mais tarde, o pai e cinco filhos chegaram, com grandes sacolas nas mãos. Considerando os “convidados”, ficaram felizes, depois se sentaram para comer. Ao terminarem a refeição, se aproximaram deles e tiraram de Rav Zalman todo o dinheiro que possuía, o muito que havia arrecadado, e disseram:

“Somos obrigados a matá-los. Mas antes lhes deixamos meia hora.”

Os dois homens imploraram que os deixem em vida mas os assaltantes não lhes prestaram a mínima atenção. Rav Zalman, com determinação, exclamou então:

“Escutem bem o que tenho a lhes dizer. Sou o enviado de um grande Tsadic, que vê tudo e sabe o que acontece conosco. É por isso que ele me pediu para não entrar numa casa cuja porta esteja orientada para o leste. Se nos matarem, este Tsadic fará com que tenham um final amargo, e eu os preveni!”

Os filhos riram dele mas o pai ouviu suas palavras e se emocionou. E pediu aos filhos que os libertassem e insistiu tanto que conseguiu convencê-los. Deixaram-nos escapar. Mas antes disso, o velho disse a Rav Zalman:

“Toma vinte e cinco rublos. Você os dará ao Tsadic.”

Rav Zalman os levou e os dois se apressaram para voltar a Liozna.

Chegando em seu destino o Rebe saiu ao seu encontro e lhes disse:

“Não dormi a noite todo por causa de vocês.”

Rav Zalman contou ao Rebe o ocorrido e lhe transmitiu o bilhete de vinte e cinco rublos. O Rebe o tomou e o introduziu numa fenda da parede.

O velho, que tinha salvo duas vidas, teve remorsos diante das suas próprias atitudes.

“Todos os homens têm uma vida virtuosa. Porque devo ganhar a minha com o roubo e o crime?”

Ele se abriu com os filhos e os aconselhou a abandonarem essas atividades e a ganharem suas vidas de maneira decorosa. Mas riram do pai, pensando que tinha ficado louco e o expulsaram da casa, Ele começou a mendigar.

Muito anos mais tarde este mendigo chegou a Liozna e entrou na casa do Rabi Shneur Zalman sem saber quem era. O Rebe tomou a nota de vinte e cinco rublos que ainda estava enfiada na fenda do muro e lha deu.