O insulto

O insulto

Contam que um judeu fez um dia a seguinte pergunta a um grande e santo Rabino: “Caro Rabino, por que você tem a aparência de um doente? Você não se sente bem?

“Ah, não”, respondeu o Rabino, “não é este o motivo, e sim porque uma pessoa me deixou muito envergonhado”.

“Como é que isso foi possível? Diga-me quem ousou fazer uma coisa dessas. Diga-me então quem é!”

O Rabino me respondeu que ele não poderia dizer o nome. Mas o judeu insistiu e perguntou;

“Diga-me, caro Rabino, o que você fez com essa pessoa para ela te desagradar?”

- Eu a abracei, essa foi a resposta surpreendente.

O judeu não pôde se conter e perguntou mais uma vez qual era o nome da pessoa que o Rabino tinha abraçado em recompensa de seu insulto.

- Era o Rabbi Eliahou Haconen, autor do livro “Cheveth-Mussar”. Foi ele quem me deixou envergonhado. Eu me interessei muito por seu livro e durante seu estudo eu percebi que eu não tinha nem mesmo começado a servir D´us direito e que eu não era digno de ser o descendente de Abraão, Isaac e Jacob. Eu fiquei confuso e tive vergonha.”

“Eu estudei o preciso livro e entendi a verdade de tudo o que ele tinha escrito, e por reconhecimento e gratidão por ter feito com que eu visse a verdade, eu peguei o livro e o abracei.”