5. Itró

B’SD

Kol Hamoshiach

PARASHAT ITRÓ

Conteúdo da Parashá:

Þ  Itró se converte.

Þ  Itró aconselha a designação de juizes.

Þ  Os preparativos de Matan Torá.

Þ  Matan Torá / A outorga da Torá.

Þ  “Eu sou Hashem, teu D’us, que te fez sair do país do Egito, da casa de Faraó onde eras escravo.”

Þ  “Não terás outros deuses!”

Þ  Não pronunciar o Nome de Hashem em vão.

Þ  Observar o Shabat.

Þ  “Honra teu pai e tua mãe!”

Þ  Não matar.

Þ  “Não cometerás adultério!”

Þ  “Não roubarás!”

Þ  “Não farás falso testemunho contra teu próximo.”

Þ  “Não desejarás a casa do teu próximo, nem sua mulher, nem seus servidores, nem nada do que pertence ao teu próximo. (E consequentemente, não farás projetos para apropriar-te dos mesmos!)”

Þ  Outras mitsvot que os Bnei Israel receberam após os Dez Mandamentos.

Þ  A mitsvá de não construir altar com pedras que o metal tocou e a mitsvá de não subir no altar por meio de degraus.

*****

Resumo da Parashá:

Itró, acompanhado da filha, Tsipora, esposa de Moshé, e dos seus filhos, Guershom e Eliezer, vai reunir-se com seu genro. D’us ordena preparar-se para a Outorga da Torá, que acontece no dia 6 de Sivan, sobre o Monte Sinai. Ele Se revela aos olhos de todos os Judeus e lhes da os Dez Mandamentos.

---------------

O primeiro dos Dez Mandamentos nos ensina: “Anochi – Eu sou o Eterno, teu D’us”. O Midrash explica com respeito a isso que “Anochi – Eu sou”- é uma palavra egípcia.

Nos Dez Mandamentos, reencontramos a Torá inteira. Podemos contar as letras e verificar que tem 620, o que corresponde ao número das Mitsvot (Mandamentos divinos): os 613 mandamentos contidos na Torá e os 7 que os Sábios estabeleceram. Entre os Dez Mandamentos, apenas os dois primeiros foram ditos diretamente por D’us. O primeiro “Anochi – Eu sou” representa tudo o que D’us nos manda fazer; o segundo, “não terás outro D’us...” corresponde a todas as proibições.

O mais importante é o primeiro dos dois. Nesta frase a palavra essêncial é “Anochi – Eu sou” que designa a Essência de D’us.

Porque uma palavra tão importante foi dita em egípcio e não em hebraico? A razão é que assim, D’us está fazendo uma alusão ao sentido da Outorga da Torá.

A finalidade da Torá é espalhar a Santidade em todos os lugares, não somente no hebraico, a língua santa, mas também nos lugares mais afastados e mais baixos, inclusive o egípcio.

Um Judeu que quer se elevar para D’us deve saber que trabalhar sobre si mesmo e seu meio ambiente, o que corresponde à língua sagrada, não basta. É preciso sair para fora, ir até lugares afastados representados pelo “egípcio” e lá espalhar a Torá. É assim que poderemos merecer ver “Anochi – Eu sou”, a Essência de D’us.

Cada um deve, claro, estudar a Torá para si mesmo, orar, cumprir as Mitsvot. Tudo isto é muito bom mas não basta. Não devemos nos contentar com o que fazemos para nós mesmos. É preciso agir sobre o mundo e disseminar a Torá em todos os lugares.

ITRÓ

Itró se converte

Um homem estava em pé em cima de um teto; ele se inclinou, perdeu o equilíbrio e caiu. Quando o levantaram ele estava com fraturas múltiplas e várias feridas abertas. Mas felizmente estava vivo. Foi levado de urgência para o hospital mais próximo e vários médicos se reuniram na sua cabeceira.

Um pneumologista e um cardiologista o examinaram e lhe prescreveram um tratamento. Um cirurgião o mandou fazer radiografias dos membros, operou-o e engessou seus membros. Um especialista do cérebro o submeteu a uma série de exames para descobrir um possível dano. Um dermatologista fez curativos nas suas feridas e prescreveu-lhe pomadas. Foi também chamado um oftalmologista para examinar seus olhos e prescrever-lhe óculos para melhorar sua visão.

Depois de ter-se submetido a diferentes tratamentos para todos os males que sofria, o paciente acabou completamente curado!

Alguém que sofre simultaneamente de diferentes males deve ser tratado para cada um deles individualmente. Não existe o remédio universal. Isto é verdadeiro no plano físico mas existe um remédio capaz de curar todos os males espirituais sem exceção. Se alguém cometeu vários erros, há um antibiótico que vai curá-lo instantaneamente: OUVIR A PALAVRA DE HASHEM. Assim, o profeta Irmiahu preveniu sua geração: “OUÇAM a palavra de Hashem, casa de Iaacov! Mesmo se vossa alma está aflita por todo tipo de erros, OUÇAM E VIVERÃO!”

A Torá: a melhor das mercadorias

Hashem louva a Sua Torá nestes termos: “A Torá é uma mercadoria incomparável. Ela possui qualidades que não poderíamos encontrar em nenhum outro lugar.”

1.  Um homem que inicia um novo negócio não tem certeza do sucesso da sua empresa. É possível até que ele perca todo seu capital. Por outro lado, se alguém estuda a Torá ele só pode ganhar com isso.

2.  Se dois homens de negócio fazem comércio entre eles, cada um vai possuir apenas um bem após a venda do seu bem de origem. A Torá é superior. Se dois alunos sábios (Talmidei Chachamim) se encontram, estudam juntos, e trocam suas idéias, no final cada um deles vai dobrar seus conhecimentos de Torá. Cada um transmitiu ao outro seu próprio saber sem sofrer nenhuma perda e ainda o aumentou com os conhecimentos do próximo.

3.  Um homem de negócio que está carregando bens preciosos, vive com o temor constante de ser roubado. A Torá é superior, já que ninguém pode retirar o conhecimento da Torá do outro.

4.  Costuma ser caro armazenar e proteger os bens além das inúmeras penas que isso vai gerar. Não é assim com a Torá. Não somente ela não precisa de nenhuma proteção, como também ela vai proteger aqueles que a estudam.

5.  Ao comprar bens, ninguém pode adquirir a pessoa do vendedor. Mas aquele que domina as palavras da Torá adquire com isso Hashem.

6.  Depois de ter dado a Torá, Sua filha bem amada, ao Clal Israel, Hashem lhe pediu para construir um altar (Mishcan) onde Sua Shechina poderia residir de maneira permanente sobre esta terra.

Moshé contou a Itró: “Hashem nos deu o pão celestial, que pode ter o sabor do pão, da carne ou do peixe; ele reproduz todos os sabores do mundo. Possuímos o poço de Miriam, que da um líquido que tem o sabor do vinho velho ou do vinho novo, do leite ou do mel; ele se transforma em qualquer bebida deliciosa. Estamos nos dirigindo para Erets Israel e Hashem nos prometeu as maiores recompensas, o País, o mundo vindouro (o olam haba), a dinastia de Davi, a ressurreição dos mortos (techiat hametim) e um novo mundo depois disso, a quehuna e a leviá!”

Quando Itró ouviu o relato detalhado dos grandes milagres que Hashem realizou para o Clal Israel, ele concretizou imediatamente sua decisão de converter-se ao judaísmo. Ele pegou uma faca afiada e fez ele mesmo a circuncisão (milá) e aceitou Hashem como único Mestre. Mas em seu coração, Itró tinha pena dos egípcios que tinham se afogado no Mar Vermelho (Iam Suf).

Baruch Hashem, bendito seja D’us, proclamou Itró, que os salvou do Egito, uma nação perigosa, e das mãos do Faraó, um rei cruel, e que os libertou da escravidão egípcia!

É verdadeiramente milagroso que uma nação de seiscentos mil homens tenha podido atravessar as fronteiras egípcias, que são tão fechadas e das quais nunca um escravo conseguiu fugir.

Eu estudei todas as religiões do mundo e a todas rejeitei porque estão erradas. Cheguei a entender que Hashem transcende todos os outros poderes, porque durante a praga dos primogênitos, Ele destruiu todas as divindades egípcias. Por outro lado, Sua grandeza sobressai de maneira evidente pelo fato dEle ter cozinhado os Egípcios na mesma panela em que eles tinham costume de cozinhar os outros. Eles tentaram destruir os bebês judeus afogando-os e em troca Ele afogou os egípcios.

Itró aconselha a designação de juizes

Itró decide que um homem deve possuir as seguintes qualidades para poder aceder à função de juiz:

·  Ish Chail: Ele deve ser profundamente versado na Torá, e deve ser rico (para não ter necessidade de adular ninguém e para não dar preferência a uma das partes com respeito à outra). Ele deve ter uma personalidade dinâmica para inspirar os outros a fazerem o que está certo.

·  Iré Eloquim: Ele deve temer o céu que lhe permite julgar fielmente.

·  Ish Emet: Ele deve ser um homem de confiança, na palavra do qual as pessoas podem confiar.

·  Soné betsa: o dinheiro deve ser repugnante aos seus olhos. Ele não deve dar importância ao seu próprio dinheiro e menos ainda ao dos outros. Ele não deve ser tentado a se deixar corromper.