Não fugir do Brasil!

DO REBBE

 

Meu sogro, o Rebe, chefe da nossa geração, disse inúmeras vezes que um judeu, quando vai se instalar em Erets Israel, deve perguntar-se antes se já cumpriu a totalidade da missão que lhe foi incumbida, na parte do mundo fora da Terra Santa que lhe corresponde. Foi assim com Ezra, o Escriba, que só subiu a Erets Israel depois de concluir a transformação de Bavel. Acontece o mesmo com cada dirigente do povo judeu, e para qualquer um que exerce uma influência sobre um grupo de judeus, seja ele numericamente importante ou não e mesmo se é um judeu único. É preciso que cada um imite o exemplo de Ezra, que só saiu de Bavel depois de ter feito dela “farinha pura”. Aquele que tem influência e que pode salvar pessoas que se encontram dentro dos seus quatro cúbitos está em situação de força maior. Mesmo quando se trata do seu sustento, está escrito que “os pobres da tua cidade têm prioridade”. O único cálculo que se deve fazer, o único elemento a considerar é, portanto, o seguinte: será que desejamos mesmo nos instalar em Erets Israel ou será que só estamos querendo escapar das responsabilidades?

(Discursos do Rebe, Sichot Codesh, 10 Shvat 5730-1970, pág. 399)