2. Noah Noé


PARASHAT NOACH

Resumo da Parashá:

A CONSEQUÊNCIA DO EGO

Os homens, tendo se tornado muito maus, D’us decidiu destruir o mundo por um dilúvio. Entretanto, Ele salva Noach (Noé), o único Justo da geração, com sua família e um casal de todos os animais. São eles que repovoam a terra. Após o dilúvio, os homens recomeçam a povoar o mundo mas, para desafiar D’us, eles constróem uma grande torre, a de Babel. D’us os dispersa sobre toda a terra fazendo com que comecem a falar línguas diferentes. Nasce Avraham.

Os homens, se tornam cada vez mais maus, e D’us decidiu destruir o mundo por um dilúvio. Mas um homem se comporta vem: é Noach (Noé). D’us decide salvá-lo. Ele lhe ordena construir um grande barco, uma arca, onde ele ficará com sua família. Depois começa o dilúvio, o mundo é destruído exceto Noach. é ele que começa a reconstruí-lo. Os anos passam, os homens se tornam cada vez mais numerosos e, querendo desafiar D’us, eles constróem uma grande torre de Babel. Para puni-los, D’us faz com que falem idiomas diferentes. Eles brigam e se separam. Finalmente nasce Avraham.

A parashá de Noach nos conta sobre o dilúvio. Este é chamado “as águas de Noach”. Por que se lhe da este nome? Noach era um Sábio, um Justo, não é por erro dele que aconteceu o dilúvio.

Com respeito a isso, nos ensinaram: como Noach não rezou para sua geração, o dilúvio é designado com seu nome.

Isto quer dizer que, mesmo se Noach e a família não tinham nada a ver com o dilúvio, eles deveriam ter rezado para todos os outros, defendê-los, trazê-los de volta a D’us e não se separar do mundo inteiro, e fechar-se na arca. É claro que se Noach foi para a arca foi porque D’us o tinha mandado fazer isso mas, como ele não rezou por aqueles que viviam na sua época, o dilúvio levou assim mesmo o seu nome: “as águas de Noach”!

Isto nos ensina algo muito importante: mesmo não sendo perfeito, a pessoa não deve se fechar sozinha mas deve ocupar-se com os outros.

Ao fazer uma recriminação tão severa a Noach, e sendo ele um Justo que vivia antes de D’us ter dado a Torá, isso vai ser ainda mais verdadeiro para nós. Porque, desde a outorga da Torá, todos os judeus são responsáveis uns pelos outros. Então, cada um deve pensar na sua geração, rezar por todos e fazer a defesa de todos, antes mesmo que façam Tshuva. Cada um deve, logo, agir para que eles voltem para a Torá. Não se pode ficar satisfeito com o que se faz por si mesmo, precisa também se preocupar com o bem dos outros.

Não se deve nem pensar sobre se vai se ter sucesso ou não: deve unicamente se agir. Na realidade sabe-se que, ao agir, se tem sucesso. É particularmente verdadeiro para os Chassidim a quem o Admor Hazaquen prometeu que, em tudo que façam pela Torá e pelas Mitsvot, surgirá a vitória.

-  - - - - -

SAIR ANTES POSSÍVEL

Foi sob a ordem de D’us que Noach entrou na arca e foi também sob a Sua ordem que ele saiu da mesma. São estas as frases que encontramos em nossa Parasha: “Entra, tu e toda tua família, na arca”; depois “Sai da arca, tu, tua mulher, teus filhos e as mulheres dos teus filhos”.

Entretanto a Parasha nos conta também que Noach, no final do dilúvio, enviou um corvo depois uma pomba pela janela da arca para saber se ele podia sair. Por que não esperou simplesmente que D’us lhe desse a ordem de sair? Porque fez tantos esforços para saber por ele mesmo se isto era possível?

Deste modo, Noach mostrou como tinha vontade de sair da arca. Ele não esperou a ordem de D’us; ele fez tudo que podia para sair o antes possível. Foi assim que ele mandou um corvo e depois, por duas vezes, uma pomba, para verificar se o dilúvio havia terminado.

Quando D’us viu isso tudo, Ele se apressou de lhe ordenar: “Saia da arca!” Graças aos seus esforços, Noach mereceu poder sair mais rápido.

O Galut, o exílio no qual nos encontramos, se parece muito ao dilúvio. Enquanto o Galut dura, tudo está transtornado, como de cabeça para baixo: o espiritual está oculto; é o mundo material que se vê; um judeu pode esquecer que o que ele tem que fazer é, antes de tudo, servir D’us, por vezes mesmo se acaba acreditando que a mentira do mundo é a verdade.

Numa situação assim, não se deve ficar sem fazer nada, esperando que D’us nos diga: “Saiam do Galut”!

É preciso agir como Noach! Como ele fez tudo que podia para saber se o dilúvio havia terminado, devemos nós fazer tudo que podemos para sair deste Galut.

O que fazer para isso? Devemos acreditar que Mashiach está a ponto de chegar, que ele pode chegar a qualquer instante e devemos compartir esta crença com todos. Devemos também aumentar as boas ações que cumprimos e suplicar D’us de nos tirar do Galut.

Quando D’us puder ver como nosso desejo é grande, Ele nos enviará Mashiach no mesmo instante.